• Min: 17 °C Max: 29 °C
  • Belo Horizonte, 23 de Janeiro de 2021 geoclima

CPI das barragens questiona reparação aos atingidos em Mariana

• 09/08/2019 • Painel Alvorada

foto
Foto: Reprodução/G1

Medidas de reparação aos atingidos pelo rompimento da barragem em Mariana foram questionadas nesta quinta-feira (8) em audiência da CPI das barragens na Assembleia de Minas. Segundo o promotor de Justiça da cidade, Guilherme Meneghin, mais de quatrocentas famílias dos distritos de Bento Rodrigues e Barra Longa, destruídos pela tragédia, ainda não foram reassentadas.

Além disso, representantes do Movimento dos Atingidos por Barragens alegam que não há participação efetiva da comunidade na tomada de decisões relativas ao processo de reparação. A Fundação Renova, criada pela Samarco para tratar dos danos, afirmou que os reassentamentos estão avançados e que mais de R$ 1,7 bilhão em indenizações já foram pagos às famílias afetadas. O rompimento da barragem de Fundão, em novembro de 2015, deixou 19 pessoas mortas.

Tags: Mariana , Samarco , CPI Brumadinho , Bento Rodrigues , CPI das Barragens


COMPARTILHE ESTA MATÉRIA POR:

ESCRITO POR

ALVORADA FM

CONHEÇA A NOSSA PROGRAMAÇÃO

Ao longo de suas quatro décadas de história, a Alvorada FM busca o aperfeiçoamento contínuo para sempre garantir a qualidade e manter-se como sinônimo de modernidade e sofisticação.

VEJA TAMBÉM

04/08/2020

Enquete, Nova Versão

Governo anuncia investimento de R$ 416 mi na Bacia do Rio Doce para reparação de danos causados pelo rompimento de barragem em Mariana

04/08/2020

Repórter Alvorada

Justiça Federal aceita pedido do Governo de Minas para compra de ventiladores pulmonares

04/08/2020

Painel Alvorada

Parte de indenização paga pela Samarco deve ser destinada ao combate ao coronavírus

MAIS RECENTES

Quase R$ 312 milhões em prêmios da loteria não foram resgatados em 2020

Mundo tem mais de 56 milhões de pessoas imunizadas contra a Covid-19

Câmara entrega pedido de impeachment de Donald Trump ao Senado na próxima segunda-feira

Revisão do Minas Consciente pode flexibilizar regras de funcionamento do comércio não essencial

VER MAIS NOTÍCIAS